quarta-feira, 4 de julho de 2007

O Ataqe dos Patos Assassinos

Existem muitas coisas neste mundo moderno qe já não são o qe eram. Os cavalheiros, os telemóveis, a escola… Mas uma das coisas qe mudou e ninguémparece ter notado, foram os patos. Sim, eu disse patos (ou melhor, escrevi).
Antigamente, quando o mundo era jovem e inocente, os patos eram animais qeridos, passavam a vida a nadar e a meter a cabeça dentro de água e o único som qe ouvias sair deles era “Quá”. Lembram-se desses patos? Aqeles qe até originaram a canção d’Os Patinhos?
Pois bem, meus caros blogueiros, esse patos acabaram.

A causa é-me ainda desconhecida. Talvez o ódio qe já invadiu irremediavelmenteas pessoas modernas tenha chegado também aos patos e deles, passado para os cisnes (sim, os cisnes também estão metidos nisto. O “Lago dos Cisnes” deixou deser um ballet e é agora uma adaptação cinematográfia protagonizada por ambos Arnold Schwarzenegger e Sylvester Stallone). Talvez a poluição lhes tenha afectado o cérebro, ou talvez simplesmente “no more Mr. Nice Duck” (qe, para os qe não sabem inglês, é “acabou-se o Sr. Pato Simpático”).

Provavelmente, nem acreditam em mim. Provavelmente a maioria de vocês franziu o sobrolho, achando qe não valia a pena ler disparates e fecharam a janela. Os qe ainda cá andam, acreditem em mim! Eu digo isto porqe eu (e isto é verídico!) já fui atacada duas vezes por esses maléficos animais. DUAS VEZES. Acho qe, da segunda vez, eles estavam apenas a tentar livrar-se de testemunhas. O qe me assusta tremendamente, pois se já tentam encobrir os ataqes qe fazem, qem diz qe daqi a poucos meses não estarão todos a falar italiano e a tratarem-se por Louie? A Máfia Ornitológica. Já imaginaram? Ovos falsificados. Papagaios a gritar: “VOCÊS NÃO VIRAM NADA!” a qualqer pessoa qe passe. Os pombos-correio e as andorinhas a dirigirem o transporte de drogas. Estamos condenados.
CONDENADOS!



Já me atiraram com um balde de água fria e já posso continuar a explicar-vos o qe é qe eu tenho contra os patos. Ora bem, como já mencionei, fui duas vezes atacada por eles.
A primeira vez foi há já alguns anos, quando eu ainda não sabia qe os Patos Assassinos planeiam a invasão da Terra.

Estava eu calmamente no Parqe da Cidade (no Porto), com duas amigas minhas.
Estava um lindo dia de sol, quase nenhuma nuvem invadia o céu e tudo estava perfeito. Algumas pessoas passavam por nós de bicicleta, outras a pé, todos muito calmos e contentes, tal como eu (adoro piqueniques). Escolhemos um sítio relativamente perto do lago e colocámos a toalha do piquenique no chão. Mal disposemos a comida por ordem de despreferência (para comermos o qe não gostamos primeiro), ao estilo de inocentes meninas de 13 anos, vimos um pato aaproximar-se lentamente de nós. Achámos muita piada, obviamente, um animal a aproximar-se de três rapariguinhas. Pensámos qe podíamos fazer-lhe festas.
Levantámo-nos e íamos ter com ele, mas então aconteceu uma coisa estranhíssima qe foi, obviamente, os genes de Pato Assassino a fazerem efeito. De repente, o pato abre o bico e lança-nos um som tremendamente assustador. Algo misturado como bufar de um gato e o arranhar de um CD. Um som horrível e desconhecido.
Assustadíssimas, fugimos do pato em direcção à protecção da minha mãe (a progenitora encarregada de tomar conta de nós no momento). Vendo qe nos afastávamos, o Pato Assassino dirigiu-se à nossa comida e devorou tudo em qestãode segundos.
Pensei qe fosse um caso único. Só um pato, “esfomeado, com certeza, coitadinho” pensei eu.

Pois, olhem, errar é humano.

Hoje, a mesma coisa ocorreu.
Tenho treino de andebol às segundas-feiras, das 10h30 às 12h30 da manhã. Depois de uma cansativa meia-hora a treinar e 5 minutos a implorar, o nosso simpático treinador fez a excelente decisão de nos deixar ir refrescar as gargantas ao chafaris mais próximo (qe, por acaso, estava perto do lago). Calmamente à espera da minha vez (e por calmamente entenda-se a bater com o pé no chão a perguntar à da frente se demorava muito), pus-me inocentemente a observar os patos, por momentos esqecendo-me do traumatisante evento com o Pato Assassino. Começei a cantar a música “Todos os patinhos, sabem bem nadar…” e dois dos patos olharam para mim.
Um deles deu quatro ou cinco passos apressados na minha direcção e fez o tal som assustador. Demos todas um enorme salto de susto e com tal, o Pato Assassino número dois virou-nos costas e foi nadar. As minhas simpáticas, mas ingénuas,colegas de eqipa riram-se das suas próprias figuras. Imagine-se! Assustar-se com um simples pato! Mas eu sei melhor… Eu percebi qe aqilo era um aviso da Organização dos Bicudos e Ferozes (mais conhecida por OBF) para me afastar e não contar aninguém.
Mas, agora qe sei, não consigo ficar calada! O mundo tem de saber! E lembrem-se, olhem sempre muito bem à vossa volta. Nunca se sabe onde o próximo Pato Assassino pode estar à espreita.

Beijinho e atenção aos patos,
Abelhinha ;)

PS: Haha. Toma lá, Mariana! Qem é qe cumpre as promessas, qem é?

4 comentários:

rouxinol de Bernardim disse...

Patos? Vê meu recente post sobre a "RELÍQUIA" e verás o que acontece aos patos...

Rafeiro Perfumado disse...

Ó Abelhinha, patos assassinos? Confessa, andaste a ver o filem "Os pássaros", do tio Hitch! ;)

Oly disse...

Patos assassinos?

Coitadinhos! São animais tão inocentes, esses!

A máfia ornitológica! lol! Impossível. Tenho um piriquito em casa e ele era incapaz de algum mal a quem quer que fosse.

(:

Juanita disse...

Só uma palavra me passa pela cabeça: lol :D